________________________________________________________

Sexta-feira, 19 de Junho de 1970

Laboratório I, Boca Bilingue

 

Não era aquela cara a quem a morte
deu de beber do cântaro mais cheio
de sóis e anéis azuis? Quem de tal sorte
quebrou tão puramente pelo meio
 
-dia das correrias do recreio?
Ou de lua que lívida a transporte
alguma vez algum olhar nos veio
que tamanha criança assim suporte?
 
Envólucro quebrado contra a aresta
do antigo cipreste, ó fantástica festa
de quem consigo mesmo pela frente
 
se encontra e reeencontra finalmente
E hora entreaberta como esta
em que país do sul de Deus nos consente?
 
 
"Laboratório I", Vita Beata in Boca Bilingue
nescritas às 14:28

________________________________________________________

________________________________________________________

  RUY 

BELO
RSS