________________________________________________________

Quarta-feira, 28 de Janeiro de 1970

Na colina do Instante, Transporte no Tempo

 

 

Há um cheiro de absinto quando os capricórnios
da casa apodrecida dos carvalhos velhos
iniciam seu voo pelo mês de junho
Colhemos avelãs ao longo do jardim
onde as tílias ao vento espalham o aroma
A frescura da fruta vence o sol rasante
Somos quem fomos caminhamos tão de leve
temos tamanha dignidade de crianças
que nem a morte aqui de nós se lembraria
nem mesmo a monstruosa flor de outros destinos
nem qualquer outra das repúblicas do ódio
encresparia o calmo mar do fim da tarde
É à celebração sagrada do acaso
à festa da essência mineral do mundo
que o sol procede no segredo deste templo
A tarde é tudo e tudo são caminhos
Somos eleitos cúmplices da hora
Aqui não chega o desatino do verão
esqueço a aversão dos meus antepassados
e levanto-me sobre a derradeira luz
Por instantes sou eu ninguém morreu aqui
ó minha vida esse processo que perdi

 

 

"Na colina do Instante", Monte Abraão, Transporte no Tempo, in Obra Poética Vol.2

nescritas às 12:43

________________________________________________________

________________________________________________________

  RUY 

BELO
RSS