________________________________________________________

Sexta-feira, 23 de Janeiro de 1970

Requiem por um cão, Transporte no Tempo

 
Cão que matinalmente farejavas a calçada
as ervas os calhaus os seixos os paralelipípedos
os restos de comida os restos de manhã
a chuva antes caída e convertida numa como que auréola da terra
cão que isso farejas cão que nada disso já farejas
Foi um segundo súbito e ficaste ensanduichado
esborrachado comprimido e reduzido
debaixo do rodado imperturbável do pesado camião
Que tinhas que não tens diz-mo ou ladra-mo
ou utiliza então qualquer moderno meio de comunicação
diz-me lá cão que faísca fugiu do teu olhar
que falta nesse corpo afinal o mesmo corpo
só que embalado ou liofilizado?
Eras vivo e morreste nada mais teus donos
se é que os tinhas sempre que de ti falavam
falavam no presente falam no passado agora
Mudou alguma coisa de um momento para o outro
coisa sem importância de maior para quem passa
indiferente até ao halo da manhã de pensamento posto
em coisas práticas em coisas próximas
Cão que morreste tão caninamente
cão que morreste e me fazes pensar parar até
que o polícia me diz que siga em frente
 
Que se passou então? Um simples cão que era e já não é
 
 

"Requiem por um cão", Nau dos Corvos, Transporte no Tempo, in Obra Poética vol2

 

çPÁG.ANTERIOR   ||  MOSTRA DA OBRA de RUY BELO  ||  TOPO ▲

nescritas às 12:58

________________________________________________________

________________________________________________________

  RUY 

BELO
RSS